Copa do Mundo pode ser usada como incentivo aos funcionários (Foto: Reprodução/Flickr)

Economia

De quatro em quatro anos, as empresas lamentam a possível perda financeira por causa da paralisação gerada pelos jogos da Seleção Brasileira em Copas do Mundo. Entretanto, o período pode ser visto como oportunidade para os negócios fluírem ainda mais.

Com criatividade, empreendedores podem usar o torneio de seleções mais importante do calendário futebolístico como um incentivo aos seus funcionários. Vale ressaltar que colaboradores satisfeitos rendem mais no trabalho e geram melhores resultados às empresas.

Diretor da RP2 Sport Marketing, agência espacializada em organização de eventos esportivos e corporativos, Raony Pacheco explica como conseguiu transformar o clima de Copa em lucros para seus clientes. Inclusive, com a criação de um álbum de figurinhas com as fotos dos funcionários do Grupo Tecnowise, que atua na área de tecnologia nos segmentos de educação e segurança para o trânsito. 

"Um colaborador motivado é algo sensacional para os negócios. Criamos a ambientação com telão, comida à vontade e atividades como o famoso bolão na hora dos jogos. Isso já motiva os funcionários. Também usamos vídeo games, elaboramos atividades pontuais como a imitação de um gol e colocamos infláveis para deixar o ambiente mais leve. Além, claro, de recomendarmos a utilização de camisas com as cores brasileiras", afirma Pacheco. 

Tecnowise trocou o álbum oficial da Copa por álbum de funcionários para promover engajamento (Foto:  Divulgação)

Interação entre funcionários gera sensação de reconhecimento

Funcionários ficam satisfeitos quando são bem remunerados, mas, também, gostam da sensação de reconhecimento. Psicóloga e coach de carreira, Aline Moreira diz que a interação entre diversos setores de uma empresa é benéfica ao ambiente de trabalho e faz com que os colaboradores cresçam profissionalmente. 

"Estamos numa geração onde a motivação não vem só de salário. Dinheiro é super importante, mas o reconhecimento, por meio de atividades diferentes e inovadoras, aumenta o rendimento da pessoa na rotina de trabalho", argumenta. 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

App facilita comunicação entre empresas e consumidores

Tecnologia

O WhatsApp, um dos aplicativos mais utilizados nos celulares dos brasileiros, liberou, na semana passada, a versão Business do mensageiro para usuários do País. O app está disponível para celulares Android e permite a criação de um perfil com endereço físico, horário de funcionamento, e-mail e expõe até  informações de site.

Não é necessário possuir CNPJ ou pagar taxas, já que os recursos pagos e opcionais serão adicionados futuramente. O WhatsApp Business é uma versão voltada para a comunicação entre empresas de pequeno e médio porte com seus clientes..

Para que o estabelecimento entre em contato com o usuário, é necessário que a pessoa forneça o número de celular ou tenha acionado primeiro a empresa por meio do aplicativo.

O WhatsApp Business permite respostas rápidas para perguntas frequentes, saudações apresentando a empresa e avisos automáticos, caso o estabelecimento esteja fora do horário de atendimento.

Ainda não se sabe quando será liberada uma versão para iPhone. O app funciona também no computador, similar ao que ocorre hoje com o WhatsApp Web. Além do Brasil, o aplicativo também funciona nos Estados Unidos, Reino Unido, Indonésia, Itália e México.

Situação piora para empresas que não têm proteção à variação do câmbio (Foto: Fernanda Carvalho/Fotos Públicas)

Economia

A disparada do dólar aumentou em R$ 115 bilhões o total que bancos e empresas terão de desembolsar para fazer frente às dívidas no exterior. Ainda que os empréstimos na moeda estrangeira não tenham crescido, a variação cambial faz com que sejam necessários mais reais para pagar o mesmo compromisso. O quadro pode gerar ainda mais preocupação com a informação do Banco Central de que 46,9% das empresas com dívida em dólar não contam com proteção à variação do câmbio.

Dados do BC mostram que a dívida externa de bancos e empresas somava US$ 471,2 bilhões no fim de março. Esse valor inclui empréstimos bancários, títulos de dívida, crédito comercial e operações intercompanhias. Em dólar, o montante não oscila expressivamente há três anos. Convertida para reais, a dívida passou do equivalente a R$ 1,556 trilhão no fim de março para R$ 1,672 trilhão na última quinta (dia 10) - uma diferença de R$ 115 bilhões.

O cenário pode trazer preocupação especialmente para empresas que eventualmente tomaram crédito em outros países, mas não estavam preparadas para o dólar mais caro. O tema tem surgido discretamente em análises de economistas, executivos e investidores e pode ganhar força à medida que o dólar avança ou com o passar das próximas semanas.

Isso porque a conta para quitar dívidas continua chegando às empresas e bancos, que têm compromissos de US$ 84,4 bilhões até dezembro. Maio é o segundo mês que mais concentra compromissos neste ano: US$ 12 bilhões em principal e juros. À frente, só dezembro com outros US$ 22,8 bilhões.

Tantas cifras podem despertar ainda mais atenção diante de duas informações. A primeira é a que indica que quase metade das companhias consultadas em 2014 pelo próprio BC não se protegia contra a oscilação do dólar com o chamado "hedge". "As empresas não exportadoras sem hedge representam quase metade da dívida total em moeda estrangeira", destaca um estudo do BC. O restante das firmas estava protegida no mercado ou porque tinha receita em dólar.

Uma dessas empresas é a estatal Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan). Em 30 de março, a empresa registrava dívida de US$ 30,6 milhões. Ela avalia que a recente disparada do dólar deve elevar o gasto no próximo vencimento, em julho, em R$ 747 mil. A Corsan não tem hedge, mas explicou em nota que o "caixa está preparado para esse desembolso adicional" e que a exposição cambial da empresa é relativamente baixa: 6,9% da dívida total.

Periodicamente, o BC estima o total da dívida externa das empresas sem proteção cambial. O dado mais recente, de dezembro de 2016, mostrava valor equivalente a 9% do Produto Interno Bruto (PIB). O patamar é maior que os 8% de 2014, primeira pesquisa. Ainda que parte dessa dívida desprotegida conte com algum tipo de resguardo indireto - como um ativo ou sede no exterior, essas companhias administram o caixa com compromissos futuros em moeda estrangeira sem seguro contra a disparada da moeda.

Com quase metade das empresas desprotegidas, o BC sugere atenção a eventuais mudanças na economia. O estudo da instituição diz que em um "hipotético cenário de reversão" há dois pontos a observar com cautela nas empresas com exposição ao câmbio: "potenciais impactos na capacidade de pagamento das empresas e no total do endividamento".

Economistas avaliam que as últimas semanas reforçam a percepção de que a mudança de cenário hipotética mencionada pelo BC está em curso. Desde março, o dólar subiu mais de 7% e já bateu em R$ 3,60, crescem as incertezas sobre as eleições no Brasil, o aperto do juro nos EUA pode ser mais intenso que o esperado e surgiu uma inesperada crise na Argentina com direito até ao FMI. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mande as suas dúvidas para a redação do Metrô News (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Nacional

A entrega da declaração de Imposto de Renda pode ser realizada a partir de hoje. A Receita espera receber mais de 3 milhões de documentos somente na Capital.

E você ainda tem dúvidas sobre algum assunto específico da declaração? Então envie para nós! 
Nossa reportagem vai analisar as perguntas e encaminhar para especialistas responderem na semana que vem.

Para encaminhar, basta escrever sua questão e colocar seu nome completo e profissão. Há vários canais em que é possível tirar dúvidas:

- WhatsApp: 9.4021-9397;
- E-mail: redacao@metronews.com.br;
- Telefone: (11) 2475-7824;
- Pelo página do Facebook, clicando em "enviar mensagem".

Aguardamos as suas perguntas!

Um dos principais focos do contrato está a troca das lâmpadas comuns por LED (Foto: Divulgação)

Cidade

O prefeito João Doria (PSDB) assinou, quinta, 08, o contrato de R$ 6,9 bilhões com o consórcio formado pelas empresas FM Rodrigues e Consladel para manutenção e modernização da iluminação pública da Capital por 20 anos.

Entre um dos principais focos do contrato está a troca das lâmpadas comuns por LED. A cidade de São Paulo tem 618 mil pontos de iluminação, dos quais 82,6 mil já tiveram a troca de equipamento realizado pela gestão anterior. A administração de Doria não quis entrar neste mérito para “não afrontar” a PPP (Parceria publico-privada).

A FM Rodrigues já é responsável pela manutenção do parque público desde 2011. O consórcio vencedor, ao qual a empresa integra, não foi o que apresentou a menor proposta. O Consórcio Walks, formado pelas empresas WPR, Quaatro Brasil e Led, se prontificou a assumir o serviço por R$ 5,5 bilhões, mas foi desclassificado porque a empresa Quaatro é controladora da Alumini, empresa citada na Operação Lava Jato e considerada inidônea pelo Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União.

Com o novo contrato, a contraprestação mensal da Prefeitura será de R$ 29 milhões, além do custo aproximado de R$ 13 milhões para pagamento da conta mensal de luz pública.

Trabalhos começam imediatamente

Segundo a Secretaria de Serviços e Obras, os trabalhos terão início imediato nas avenidas Guarapiranga (Zona Sul), Morumbi (Zona Oeste), Luiz Dumont Villares (Zona Norte), Rio Branco (Centro) e Valdemar Tietz (Zona Leste).

Este trabalho poderá servir como um cartão de visitas, junto ao Corujão da Saúde e outras ações da atual gestão, ao prefeito João Doria (PSDB) em uma possível corrida ao Governo do Estado de São Paulo. 

VEJA NOSSA EDIÇÃO DO DIA

Recuperado de lesão, Neymar já faz movimentos de jogo em Teresópolis (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Copa 2018

Praça Charles Miller vai ser sede de ação da editora (Foto; Reprodução/Google Maps)

Copa 2018

Ator, cantor e compositor, Will Smith foi chamado pela Fifa para encerrar mundial (Foto: Reprodução/Youtube)

Copa 2018

Alemanha não tomou conhecimento da Seleção (Foto: Clayton de Souza/AE)

Copa 2018
Ainda não possui um cadastro? Registre-se

ou

Articulistas

Colunistas

Críticos se escondem atrás de telas de computadores (Foto: USP Imagens/ Fotos Públicas)

Opinião

Problema é histórico e de difícil resolução (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil/Fotos Públicas)

Opinião

Azeredo é o primeiro, mas não pode ser o único tucano preso (Foto: Arquivo/ABR)

Opinião

Falta de combustível gera filas nos postos em Brasília (Foto: Marcello Casal/ABR/Fotos Públicas)

Opinião